Somos recomendados por profissionais da saúde especializados
11/08/2020

O QUE É A PRATA COLOIDAL ALMACURA®

A PRATA COLOIDAL NÃO É UM MEDICAMENTO.

A Prata era sinal de status e nobreza, utilizada pelo homem em todo o mundo, há mais de 5 mil anos, em utensílios domésticos e talheres, na igreja em seus cálices e utensílios e na medicina chinesa em formato de agulhas para procedimentos cirúrgicos.

A Prata Coloidal Almacura® é um composto mineral natural formado por coloides (nanopartículas) de prata pura (prata1000), sem liga com outros metais, suspensas em água pura deionizada, obtido através de reator de eletrólise de baixíssima voltagem por lento processo de produção, que garante a sua originalidade, qualidade, pureza e eficiência, com características de cor cristal e leve sabor metálico.

Embora seja utilizada, há muito tempo, nos EUA, nos países da Ásia e Europa, como auxiliar no combate a vírus, bactérias e fungos patogênicos, cujas publicações científicas destacam a vantagem de não promover reações alérgicas ou efeitos colaterais, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA BRASIL - não a reconhece e não a classifica como suplemento, alimento ou medicamento, proibindo que os fabricantes devidamente registrados e autorizados, de prescreverem ou indicarem, o uso para fins terapêuticos, devendo constar, em seus rótulos, a expressão USO EXTERNO para limpeza da pele.

O seu uso, no Brasil, então só pode ser indicado pelo fabricante como de USO EXTERNO e somente profissionais da saúde especializados por indicar outros usos terapêuticos, por isso a Almacura não prescreve e nem indica o consumo por ingestão, seguindo a legislação brasileira. (RDC 07/2015)

 

UM POUCO DA HISTÓRIA DA PRATA COLOIDAL

"Em 1910, o Dr. Henry Crooks, pioneiro da Química, descreveu que certos metais, quando no estado coloidal, têm uma ação altamente germicida, mas são inócuos ao homem, podendo ser aplicados em forma mais concentrada e com resultados melhores perante organismos patogênicos, destruindo-os em três ou quatro minutos. Relatou ainda que não existiu micróbio que não tenha sido morto pelos coloides em experiências de laboratório, em seis minutos.

Em 1919, Alfred Searle, escreveu em seu livro : “O USO DOS COLÓIDES NA SAÚDE E NA DOENÇA”, que  a aplicação de Prata coloidal em seres humanos, em grande número de casos, apresentou resultados positivos surpreendentes por ser rápida e fatal aos parasitas sem qualquer ação tóxica na pessoa..

Em 1970, a Prata coloidal voltou a ser valiosa,  quando pesquisas biomédicas, na Washington University in St. Louis, Missouri, E.U.A., mostraram que nenhum organismo causador de doenças – micróbio, vírus ou fungo – pode viver mais que alguns minutos em presença, mesmo de traços, de Prata metálica.

Segundo os textos científicos disponíveis na internet, a prata coloidal não é prejudicial, ao contrário de antibióticos químicos que matam, talvez, meia dúzia de organismos patogênicos diferentes e destrói o nosso organismo.

 

Publicações disponíveis na internet citam curiosidades:

A Prata está substituindo o Cloro nas piscinas, porque não irrita os olhos.

Empresas japonesas estão usando a Prata para remover Cianetos e Óxidos Nítricos do ar.

As companhias aéreas AIR FRANCE, ALITÁLIA, BRITISH AIRWAYS, CANADIAN PACIFIC, JAPAN AIR LINES, KLM, LUFTHANSA, OLYMPIC, SAS, AMERICAN AIRLINES e SWISSAIR utilizam filtros de Prata para água, para evitar doenças geradas pela água.

No Canadá, Suíça e USA os médicos utilizam vários tipos de solução de prata coloidal como auxiliar no tratamento de vários tipos de infecções, relatando que ela age em cerca de 650 tipos de microrganismos patogênicos e não permite que se desenvolvam linhagens destes parasitas.

Médicos canadenses, suíços e norteamericanos usam a prata coloidal mo tratamento de infecções, em cirurgias ósseas e em queimaduras.

A NASA e os russos utilizam um sistema de purificação de água para os seus "Shuttles Espaciais".

Nos EUA, a prata é usada em cirurgia óssea e em 70% dos centros de tratamentos de queimaduras, assim como esterilizar escovas de dentes até instrumentos cirúrgicos, aplicar em cortes, feridas, queimaduras solares e cortes de barbear, pulverizar sobre o lixo de sua casa para prevenir odores de putrefação, na espoja da cozinha, toalhas e objetos cortantes para eliminar contaminantes, pulverizar sobre sapatos, meias, para evitar odores, pulverizar entre as pernas para eliminar coceiras na pele, pés de atletas, fungos ou coceira na virilha, fazer pulverização nasal, enxague bucal para eliminar dores de dente, feridas na boca, higienizar dentaduras, pulverizar na geladeira, freezer e recipientes onde guardam alimentos, no pelo dos animais domésticos e feridas e deixe secar, tratar a água da piscina, umidificadores, borrifar em filtros de ar condicionados, lavar alimentos, etc.

Na Suíça, biomédicos estão estudando a capacidade da prata coloidal para interromper a divisão celular do HIV em vários estágios da doença.

Naturopatas, quiropráticos, Praticantes de Homeopatia, medicina chinesa e ayurvédica utilizam a prata em seus procedimentos.

Filtros de água a base de prata coloidal foram aprovados pelo US Environmental Protection Agency e pelo governo suíço para uso em casas e escritórios.

As companhias aéreas: Air France, Alitalia, British Airways, Canadian Pacific, Japan Air Line, Lufthansa, Olimpic, American Airline e Swissair utilizam filtros de prata para ajudar a evitar doenças geradas pela água.

Na segunda guerra mundial, a prata era utilizada para tratar ferimentos de guerra e até hoje é muito utilizado na limpeza e cicatrização de feridas, por não deixar marcas.

Várias publicações científicas citam o seu uso como auxiliar na redução de resfriados, coriza, infecção de estafilococos e Streptococcus, infecção respiratória, sinusite, infecção nos olhos e ouvidos;

 

REFERÊNCIAS:

  • https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7711612/
  • https://www.science.gov/topicpages/w/water+purification+stations.html
  • https://ntrs.nasa.gov/archive/nasa/casi.ntrs.nasa.gov/20020083175.pdf
  • https://worldwidescience.org/topicpages/w/water+purification+system.html
  • https://ntrs.nasa.gov/archive/nasa/casi.ntrs.nasa.gov/20020080111.pdf
  • https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1517/13543776.15.2.125?needAccess=true&
  • https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/21691401.2017.1307208?src=recsys&
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0109564117303767
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1549963413003353#
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S2352492819307378
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1013905218301780
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1549963419302266
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0928493117335956
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0734975018300946
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/B9780128013175000177
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/B9780128169605000094
  • https://www.tandfonline.com/doi/full/10.3109/1040841X.2013.879849?src=recsys&
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/B9780128158869000097
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S030541791400343X
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0928493120308146
  • https://www.tandfonline.com/doi/full/10.3109/1040841X.2013.879849?src=recsys&
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S001448941930298X
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0141813018316830
  • https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0939641118301644
  • https://www.who.int/water_sanitation_health/publications/silver-02032018.pdfMARONEZE, C.M., COSTA, L.P., SIGOLI, F.A., GUSHIKEM, Y., MAZALI, I.O. One-step preparation of silver nanoparticles confined into functionalized-free SBA-15 channels. Synth. Metals, v.160, p.2099-2103, 2010.
  • COSTA, L.P., FORMIGA, A.L.B., MAZALI, I.O., SIGOLI, F.A. Spontaneous formation of highly dispersed spheroidal metallic silver nanoparticles in surfactant-free N,N-dimethylacetamide. Synthetic Metals, v.161, p.1517-1521, 2011.